quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Vontade de

pai, ensina-me o que é ter vontade de.
tens vontade de mo ensinar?
as vozes voltaram a encontrar
o meu peito. haverá forma de
lhes dar a volta? elas voltam
sempre. e eu, sem vontade de.
ouvir? escutar? sempre tive
mais a dizer do que a ouvir,
e no entanto nada disse.
nunca. e se o tivesse dito,
pai? conseguiria dizer o silêncio?
quando me calo é quando
mais tenho para dizer.
nunca o disse a ninguém.
eles não iriam ouvir.
sorriam. como podem eles sorrir,
pai? consegues ensinar-lhes a
sorrir com vontade e não com
lábios? eu não quero lábios.
porra, não! não! lábios não!
eles falam! diz-lhes a tua vontade.
a minha vontade. vontade de.
de quê? não! outra vez não...